Um post desabafo (atualizado)

Isso não é um post, é praticamente uma reflexão.

Essa semana foi bastante intensa aqui no blog. E me fez refletir: precisamos ser mais generosos com as outras pessoas, principalmente quando elas são diferentes de nós.

Nem todo mundo consegue o ideal, que é cozinhar comidas frescas para o filho todos os dias. Muita gente nem sabe o quanto isso é vantajoso, nem o quanto as comidas industrializadas podem ser perigosas. E não estou falando de quem tem a situação financeira precária ou não teve condições de estudar. Estou falando do seu vizinho com o carrão na garagem…

Quem somos nós para julgar a forma como o outro alimenta o filho? Nós sabemos da vida dele, o que passa, o que já passou, se acabou de passar por uma separação, ou se tem um filho na UTI, ou se discutiu com o chefe? Não. Tenho certeza de algo: os pais fazem o melhor que podem. Sempre. Ninguém compra um macarrão instântaneo pensando “vou ferrar com o futuro do meu filho”. Compra por falta de opção, de informação, de tempo, de possibilidades.

Ninguém gosta de deixar o filho pequeno sozinho na escola logo no primeiro dia de aula. É feita uma adaptação até a criança (e os pais) se acostumarem. Agora faça um paralelo: porque não aceitar que famílias que comem mal também merecem um tempo de adaptação? Um tempo onde terão de ir achando possibilidades mais saúdaveis (ou, para ser mais exata, possibilidades menos piores) entre os produtos industrializados, misturando com comida caseira, até chegar a uma situação ideal?

Penso que o ser humano está muito preparado para julgar e criticar. Mas pouquíssimo disposto a ajudar. Precisamos ser menos egoístas e mais generosos, ajudar o outro quando ele erra. Mas, principalmente, ajudar de uma forma onde o objetivo seja possível de atingir, sem impor nossas regras. Levar em conta o mundo do outro, não apenas o nosso próprio mundo.

E, mesmo que não tiver paciência para isso, ter o cuidado de não julgar quem o faz. Só assim vamos passar um exemplo bom de generosidade e flexibilidade para nossos filhos. E estaremos lutando para melhorar o futuro deles.

beijos

Mônica

 

 

19 Comments

  1. Ola meninas, so gostaria de agradecer aos posts maravilhosos que tem me encorajado a comer melhor e principalmente ajudar na alimentacao da minha filha. Gde abraco e parabens pelo talento e por dividir conosco. Abs Janaina

  2. Algumas vezes tropeçamos, outras vezes nos fazem tropeçar. O importante é aprender a lição quando lição houver e seguir em frente.

    Beijocas

  3. Ótimo texto! Até eu, que tenho um blog no qual conto apenas as minhas experiências com meu filho, sem entrar em polêmicas, já recebi críticas até ofensivas (e pior, anônimas… não pude responder nem saber com quem falava). Críticas e divergências são boas quando enriquecem uma discussão. Sem julgamentos vazios nem ofensas.
    Acompanho o Comer para Crescer há tempos, já o citei em meu blog em mais de um post (com link para a fonte e avisei aqui!) e sempre que tem post novo eu corro para ler. Continuem o ótimo trabalho, pois vcs têm muitos fãs!
    bjocas

  4. Bom texto, Mô. Nem sei qual a polêmica, pois ando meio distante do mundo virtual :(. Mas é legal mostrar essa questão da generosidade e da tolerância em um mundo que está cada vez menos aberto a todos os tipos de opinião. bjo e boa semana pra você e pra Pati.
    Paloma e Isa

  5. Bem-vindas ao mundo da democracia!! O que aconteceu essa semana é o que acontece em qualquer debate democrático: vários pontos de vista diferentes sobre uma mesma questão são apaixonadamente defendidos. Isso é uma das coisas mais interessantes da internet. Aqui, desde que com moderação, todos tem o direito de falar o que pensam sobre um determinado assunto SEM CENSURA. Por favor não levem para o lado pessoal. Aproveitem a oportunidade para aprender mais sobre o assunto. Talvez vocês até mudem de idéia. Quem sabe?

    Um abraço e boa semana.

    1. Oi, Flavia.
      Aceitamos críticas e opiniões diversas, pois aprendemos com elas. Esse é a lado bom da internet. Viva a democracia!
      bjs

  6. Oi Meninas,
    Admiro o trabalho de vocês e nunca me meto, não respondo nem nada.
    Mas hoje…
    O que incomoda não é o que as pessoas comem, o que dão ou deixam de dar a seus filhos, o que é difícil de aguentar é a falta de AMOR. Ver gente tendo filho por inércia é comum nos dia de hoje afinal, somos adolescentes por muito tempo, vivemos uma vida voltada para o trabalho (realização pessoal) e para o prazer imediato. Mais não ser tocado pelos filhos quando eles nascem é MUITO triste!! Ser incapaz de perceber que filhos demandam uma mudança na vida, um deslocamento do foco de si para o outro e que isso é a maior delicia, é uma irresponsabilidade, uma molecagem, e uma grande pena. Não aproveitar destas coisinhas para viver é jogar uma parte deliciosa e maravilhosa da vida na lata do lixo.
    O que vocês fazem aqui é falar e lutar por esse amor, seja como for, da melhor forma possível, procurando,especulando, exagerando…
    Um grande beijo e que semana que vem seja outra!!!

  7. É… isso acontece… Antes eu comia ‘qquer coisa’, mas preferia porcarias, sabe? Hoje já vejo diferente… preparo a comida pra Sofia, pensando em acrescentar coisas q vão ajudar o organismo dela. Se depender dela, só come arroz, feijão e carne… Então misturo coisas no feijão e no arroz e vou incentivando outras coisas, mas sem pressão.
    Sobre isso de críticas… qndo contei pro pessoal do antigo trabalho q eu ia virar dona de casa, ngm acreditou! Hj perguntam pro meu marido (q trabalha na msm empresa q eu trabalhei) se eu ‘cozinho enlatados’ e ngm crê qndo ele diz q não, q eu COZINHO MESMO!
    Aliás, essa semana mesmo eu fiz um post parecido, pq recebi gozação (não no blog) por eu ‘não saber cozinhar e procurar receita de tudo na internet…”

  8. olá meninas,sou novo por aqui!,,,,mas parabens pelo blog,minha esposa e eu agora temos onde obter todas informações com conteudo e qualidade,agora sou fã numero um de vcs,realmente parabens e continuem assim,bjos.

  9. Meninas,
    Muito obrigada pela compreensão. Bom demais da conta, sô!
    beijos no coração de cada uma e respectivos filhotes e filhotas.

    Patricia e Mônica

  10. Olá meninas!!!
    Lendo o post de vocês faço suas as minhas palavras!!!
    Vivemos sob julgamento e críticas em qualquer segmento de trabalho ou serviço… Colocamos nossa cara a tapa!!!
    Não deixem que nada ou ninguém destruam um ideal!!!!
    Não se importem ou magoem com a opinião dos outros…
    Continuem sendo ” bruxinhas” !!!!
    Marcelle

  11. Ahhh.. mas a blogosfera materna é assim mesmo: perfeita.
    Parto natural, amamentar até os 2 anos, comida orgânica, nada de papinhas nem congeladas e por aí vai…
    se a gente for ligar pra tudo, estramos em depressão profunda.

    Eu adoro o blog de vcs.
    Aqui me acalmei qdo minha bebê na época da introdução dos alimentos demorou 43 dias para abrir a boquinha. Aqui vi a quantidade que ela se satisfazia e deixei de ser tão ansiosa.

    Eu gosto do que vcs fazem. Continuem assim.

    Bjão carinhoso.

    1. Ai, Fabi.
      Fiquei com olhos cheios de lágrimas com o seu comentário. Obrigada. Apenas para dizer que a gente aceita críticas, são super bem-vindas. Nos machuca é a falta de generosidade!
      bjs,
      Patricia

  12. Meninas, eu adoro o blog de vcs e o que vcs fazem é educação. Sem ofender ninguém, sem radicalismo, sem ter a pretenção de transformar o blog em algo que ele não é. No mundo atual a nossa maior dificuldade é de lidar com as diferenças. É difícil ser tolerante. Nem sempre o que está escrito nos livros é o que as pessoas vão seguir mas isso não faz ninguém pior por isso. E concordo quando escreveram que as mães fazem o melhor para os seus filhos. Beijosssssssss!!!

  13. Monica minha querida, o seu site é um jóia preciosa neste mar de blog´s que vemos por ai. Mas é assim mesmo: quando levantamos uma bandeira de ações, atitudes e ideias que confrontam e que mexem com estruturas muito enraizadas, este conflito é quase certo. E, necessário, pois é neste movimento que as estruturas internas vão se deslocando e aos poucos tudo se modifica e se transforma. Receba meu apoio e o meu carinho. Um beijo e parabéns por este trabalho lindo que vem realizando…

  14. Mônica e Patrícia, é uma pena que muitos não entenderam o próposito de vocês e, assim, perderam a chance de um aprendizado. Eu cozinho para minha filha Ana desde as primeiras papas. Agora, ela vai fazer um ano. Tirei muitas duvidas com o auxílio de vocês e sou grata pela diversidade de idéias e temas tratados aqui e com carinho por vocês. Não sofram pelo julgamento árido, estreito e mesquinho dessas pessoas… Criar um filho não implica apenas comidas “orgânicas” e naturais, segundo a normose do momento. Procuro dar isso para Ana. Mas o mais importante é ensinar flexibilidade, respeito pelas diferenças, indulgência e discernimento. Isso, no entanto, são para poucos – aqueles que de fato entenderam que a vida supõe escolhas segundo as possibilidades/grau de entendimento de cada um. Acho vocês duas responsáveis e flexíveis… E, por isso, confiáveis. Se fossem “radicais” ou conservadoras… Bom, este tipo de matéria não teria tido espaço… Os que não entenderam, que busquem ajuda para aprender interpretar/compreender, no lugar de julgar e criticar…. Beijos. Eugênia

  15. Moniquinha, querida e Patricia, seu blog é lindo, seu mote e digníssimo e seus textos são muito afetivo-didáticos!
    Parabéns a ambas!
    Meus filhos já cresceram mas, em breve, quem sabe, aconselharei noras e filha a acompanhá-las… enquanto isso, eu mesma vou desfrutando…
    Beijos orgulhosos

  16. É, Mônica, o mundo está cheio de pessoas perfeitas. Mães perfeitas, então, nem se fala! Apontar dedos é muito mais fácil do que tentar se colocar no lugar do outro.
    Beijos.

Comments are closed.