Será o fim da publicidade infantil?

consumismo_infantil

Na última sexta, foi publicada no Diário Oficial da União a Resolução 163 do Conanda, que considera abusiva toda publicidade direcionada às crianças. Isso significa que teremos algumas mudanças no futuro. Pegando emprestado o resumo feito pelo Alana, segue a lista do que é considerado abusivo:

 

– linguagem infantil, efeitos especiais e excessos de cores;

 

– trilhas sonoras de músicas infantis ou cantadas por vozes de criança;

 

– representação de criança;

 

– pessoas ou celebridades com apelo ao público infantil;

 

– personagens ou apresentadores infantis;

 

– desenho animado ou de animação;

 

– bonecos ou similares;

 

– promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis ou com apelos ao público infantil;

 

– promoção com competições ou jogos com apelo ao público infantil.

 

Com a resolução, a partir de hoje fica proibido o direcionamento à criança de anúncios impressos, comerciais televisivos, spots de rádio, banners e sites, embalagens, promoções, merchandising, ações em shows e apresentações e nos pontos de venda. Qualquer publicidade e comunicação mercadológica no interior de creches e escolas de educação infantil e fundamental, inclusive nos uniformes escolares e materiais didáticos também será considerada abusiva.

Mudança da publicidade infantil

size_590_Spunch_Cereser1

Nós do Comer para Crescer ficamos felizes pois nos parece mais um direcionamento, uma nova maneira de fazer propaganda, de forma mais coerente e responsável. Nos preocupamos pois depois dos brinquedos, são os alimentos (geralmente nada saudáveis) os maiores alvo da publicidade infantil. É inadmissível embalagens que usam personagens infantis para atrair a criança e cobrar mais dos pais – as versões com personagens geralmente são mais caras do que as originais. E já vimos absurdos como suco sendo vendido em forma de champanhe com as princesas no rótulo! – conheça o caso Cereser.

 

Agora é a vez do pais pegarem carona nesse incentivo e (re)aprenderem a dizer não para os filhos. Tarefa ingrata, chata, irritante, mas necessária. Nesse ponto podem sempre contar com a gente, com nossos posts, nossas histórias pessoais e até conselhos que damos por email. Estamos aqui para isso!!

beijos

Mônica