Resoluções gastronômicas de Ano Novo

No último post a Pati deixou sua lista de desejos para 2010. Aqui eu conto um pouco das minhas resoluções de ano novo. A primeira delas tem a ver com a cozinha: quero deixar a preguiça de lado e aceitar a ideologia do meu marido nos cuidados com a alimentação da família. Explico…

Durante as festas de fim de ano, a Isabella teve contato com várias outras crianças. E, apesar dos amiguinhos agirem diferente, ela…

… recusou espontaneamente a Coca Cola e pediu suco de uva
… não fez drama quando a sobremesa era uma fruta
… deixou de lado as bolachas industrializadas

Não imagine que sou uma mãe metida, até porque o mérito não é meu. É todo de meu marido. A primeira compra que fizemos juntos depois de casados já me alertava: meu carrinho era todo de comidas prontas enquanto o dele só tinha frutas, verduras e legumes frescos. O casamento deu certo. Ele aprendeu a comer bacon e tortas da Sadia e eu coloco alguma verdura no prato. Mas sempre achei meio radical seu modo de pensar sobre a comida, anulando a existência de açúcares e qualquer coisa industrializada, incluindo aí as tradicionais gelatinas e danoninhos. Ou passando horas na cozinha para fazer hambúrgueres e iogurtes caseiros. Mas nesse final de ano, ao comparar minha filha com outras crianças, dei certa razão para ele.

A verdade é que quando insistimos desde pequena em certas coisas, a criança cresce acreditando naquilo. Por isso a Isabella não acha a menor graça em refrigerantes, não se interessa por sanduíches de fast foods, deixa pela metade qualquer doce industrializado. “É artificial”, diz fazendo careta. É uma questão de costume, de educar o paladar. Então, por que não acostumar nossos filhos a comer direito desde pequeno?

Aí entramos nós na história…

Quem disse que a gente come direito? Como ensinar um conceito que muitas vezes nós não estamos acostumados a seguir? Nós, que nos sentimos ameaçados cada vez que ouvimos as palavras “reeducação alimentar?”. Outra cena de final de ano: Úrsula, minha caçula de um ano, no colo da avó, faz cara de sede. Sem o menor constrangimento, minha mãe pegou o copo de guaraná e ofereceu para ela. Foi barrada no meio do caminho pelo meu braço. A intenção dela era boa, na verdade, matar a sede da neta o mais rápido possível. Mas por reflexo fez isso, porque quando temos sede, pegamos o primeiro líquido na frente e tomamos.

E não é mesmo muito mais fácil encher a geladeira de refrigerantes gelados do que escolher a fruta, descascar a fruta, cortar a fruta, bater a fruta e depois beber? Ou mais fácil do que rodar os hipermercados atrás de sucos sem conservantes? Por isso penso no hábito e na preguiça, esse sentimento que bate não apenas em tardes chuvosas, mas também na hora de pensar na comida, na “mistura” pro jantar, no fazer e não comprar pronto. Eu confesso: é muito mais simples pegar uma bolacha qualquer no armário e colocar na mão da Úrsula do que cortar frutas em pedacinho. É contra isso que quero lutar.

Meu desejo para 2010 é: vamos mudar nossos hábitos!

– comer direito para o filho comer assim também
– colocar menos açúcar em tudo
– diminuir os produtos industrializados
– aumentar o número de sobremesas com frutas
– tirar os excessos da comida (azeite sem necessidade, queijo ralado em excesso, creme de leite em tudo). Assim como na moda, na alimentação menos também é mais
– colocar pelo menos um legume em cada refeição

Ano que vem, quando a gente pensar no assunto de novo, estaremos tão acostumados com os novos hábitos, que eles nem parecerão tão medonhos como agora.

Um beijo e feliz 2010 da Mô

P.S. Enquanto eu escrevia esse post, tive mais uma experiência para provar minha tese: a Isabella pediu salada de frutas com manga, cereja e morango, enquanto assistia a um DVD. Logo pensei: vou cortar os pedaços e pingar chocolate derretido por cima… Prá quê chocolate?!!!!! A garota só pediu frutas e eu querendo levá-la para o mau caminho…

P.S. 2: Os quadros que ilustram o post são do pintor colombiano Fernando Botero

3 Comments

  1. Oi, Mô.
    Tb quero ter menos preguiça e mais vontade de desvendar a cozinha para cortar, picar, triturar a comidinha dos meninos e não comprar tudo pronto ou discar para o delivery. Que tenhamos um 2010 mais inspirador na cozinha.
    beijos da Pati

  2. Olá! Sou a Mari, mamãe de um garotinho chamado Pedrinho (1 ano e 9 meses). Acompanho o blog já tem um tempinho(estou lhes seguindo rsrs). E que blog mais saboraso… sempre saio daqui com um gostinho de quero mais… Hoje passei para convida-la a conhecer nosso blog. O "Mundo do Pedro" http://mariepe.blogspot.com.
    beijinhos e esperamos sua visita!

Comments are closed.