Publicidade de alimento terá advertência contra excesso de sal, açúcar e gordura

Essa é a matéria da Folha de S. Paulo de hoje. Ainda não é tudo o que a gente queria, mas é um começo. Com isso os fabricantes ficarão mais espertos e colocarão seus laboratórios para trabalhar e tornar seus produtos mais saudáveis. Ou estou sonhando muito?

beijos

Mônica

Publicidade de alimento terá advertência

Comerciais de produtos com muito sal, açúcar ou gordura trarão alertas sobre risco de obesidade e doença do coração

Medida é considerada tímida por ONGs de defesa do consumidor e inconstitucional pela indústria de alimentos

ANGELA PINHO
DE BRASÍLIA

Daqui a seis meses, a publicidade de alimentos com altos teores de açúcar, sódio e gorduras trans e saturada terá alertas sobre problemas de saúde que o consumo dessas substâncias pode causar.
A medida está prevista em resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), publicada ontem no “Diário Oficial”.
As frases de advertência deverão ser ditas pelo personagem principal do comercial, no caso da televisão, ou pelo locutor, no rádio.
Na internet e nas mídias impressas, os alertas deverão ter cores contrastantes com a da peça publicitária e ter impacto visual compatível com o dos anúncios.
A iniciativa da Anvisa busca enfrentar o aumento da obesidade no país. Levantamento recente do Ministério da Saúde mostra que quase metade da população adulta está acima do peso.
A resolução é menos restritiva do que o texto que a própria agência havia submetido a consulta pública em 2006. A proposta incluía limites de horário para comerciais desses alimentos e proibição da utilização de personagens de desenho animado.
De acordo com a Anvisa, esses dispositivos foram retirados após reuniões com representantes da AGU (Advocacia-Geral da União), que teriam dito que eles dependiam de mudança na lei.
O resultado é que a resolução desagradou tanto a indústria quanto as ONGs que acompanham o tema.
Para Isabella Henriques, do Instituto Alana (ONG que luta contra a publicidade voltada para crianças), foi um retrocesso tirar do texto restrições à publicidade infantil.
Segundo Henriques, a criança não distingue a publicidade da programação e não vai entender os alertas nos comerciais.
Lisa Gunn, coordenadora-executiva do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), afirma que, como não tem regras específicas para o público infantil, a resolução não trabalha com um ponto que ela considera crucial: a formação do padrão alimentar.
Para Carlos Augusto Monteiro, da Faculdade de Nutrição da USP, a instituição de alertas é “revolucionária”, mas seria melhor adotar medidas como taxação maior sobre os alimentos com muito açúcar, sódio e gordura.

3 Comments

  1. Fico feliz! A medida é tímida porque, infelizmente, as agências reguladoras não conseguem atuar como deveriam por causa do lobby dos empresários. Mas já é algo, né?

  2. Cada vez que passo por aqui vejo matérias mais legais. Pena que nesses últimos dias mal tenho conseguido postar, mas assim que acalmar vou ler tudo com calma.
    Tô passando por aqui pra dizer que tem selinho pra vc lá no blog.
    Desculpe se for repetido mas nos enrolamos pra repassar.
    Bjs, ELiane
    Ps. Muito legal a promo da faber castell. Vamos divulgar!

    1. Obrigada, Eliane. E volte a postar sim! Temos de conseguir algum jeito de organizar o dia e dar tempo de tudo… E obrigada pela divulgação da promoção.
      beijos
      Mônica

Comments are closed.