Produtos inimigos das crianças

Produtos inimigos das crianças. Semana passada, Caio Melo do Pais Modernos descobriu um produto espantoso e fez um post sobre ele. Trata-se, pasmem!, de um espumante para crianças chamado Spunch. Claro, não tem álcool, é feito de suco de frutas mas, pasmem2, é encontrado nos supermercados ao lado das bebidas alcóolicas e tem o formato igual ao de outros espumantes, comdireito a rolha e tudo! E mais, a embalagem é toda feita com personagens infantis: As princesas, Carros, Mickey e Pateta.

Fiquei tão passada com o assunto que fui atrás da Cereser, a fabricante de tal produto, para tentar entender o que faz uma empresa criar algo tão absurdo. Por que a alusão à bebidas alcóolicas é muito clara. Será que a ideia era que os filhos pudessem brindar junto aos pais? Que eles poderiam degustar daquilo enquanto não tem idade para o espumante de verdade?

Em um primeiro momento você pode até usar do bom humor e achar que tudo bem, é uma brincadeira, olha que bonitinho o pequeno tomando champagne. Mas não tenha dúvidas de que a ideia da Cereser não é divertir a família e sim usar a estratégia para fidelizar o consumidor e investir no futuro. A criança vai sempre se lembrar da marca com carinho, vai associar a ideia de espumante com algo divertido e no futuro, será um consumidor da bebida alcóolica.

Será que eles acharam que ninguém ia notar isso? Erraram. Em janeiro, a Defensoria de São Paulo recomendou que o produto fosse retirado de circulação. De lá para cá realmente eles realmente foram desaparecendo, mas ainda existem por aí. Afinal, o Caio encontrou lá em Floripa.

A assessoria de imprensa da Cereser me informou por email que eles não querem falar sobre o assunto e mandou o comunicado oficial da empresa:

“O departamento jurídico da Cereser já respondeu formalmente ao ofício da Defensoria  Pública do Estado de São Paulo, com a qual está em tratativas sobre o assunto”

Já no SAC deles fui informada de que o “acabaram os estoques do produto e por isso ele não é encontrado nos supermercados. Mas que ele voltaria agora em Abril”. Será que a ideia é lançar novamente com uma nova embalagem? Mas, como o fabricante é a Cereser, tradicional fabricante de espumantes, qual seria a vantagem de continuar com um suco de frutas no mercado?

Quando conseguir a resposta da Defensoria de São Paulo, inclusive explicando porque recomendou a retirada do mercado e não proibiu, atualizo esse post.

Mas o que espanta é apenas um órgão de São Paulo ter tomado alguma iniciativa e o resto do pais engolir esse absurdo sem fazer nada.

E o que leva uma equipe de criação achar que estava fazendo um bom negócio bolando esse tipo de produto?

Está na hora das empresas entenderem que os consumidores não são burros, não engolem qualquer jogada de marketing.

beijos

Mônica

23 Comments

  1. Nao concordo com vcs acho super fofo estourar um refrigerante desse no aniversario da minha filha …falso ridículo moralismo

  2. Acabei de me deparar com esse absurdo na maior rede de supermercados de Belem, coloquei um posto no Facebook com as fotos lado a lado com cervejas, espero que o assunto ganhe repercussão nas redes sociais e o supermercado boicote o produto. Achei um verdadeiro absurdo, espero que o Juizado da Criança e do adolescente faça pelo menos recomendaçoes ao supermercado.

  3. O post eh velho, mas eu queria fazer um comentario. Voce perguntou “E o que leva uma equipe de criação achar que estava fazendo um bom negócio bolando esse tipo de produto?”

    Mas ela ESTA! Essa eh a funcao da equipe de criacao. Essa eh a funcao da empresa! A gente nao pode ser ingenuo e querer que a propria empresa perca uma oportunidade – de ouro – de fidelizar seus consumidores, por causa de consideracoes eticas.

    Cabe aos grupos de pais, grupos de consumidores, o governo, os legisladores, etc, fazerem forca no sentido contrario. Sao os cidadaos que tem a funcao de impedir que a coisa vire uma selva (o tal capitalismo selvagem). E sabe quem tem uma funcao nisso tambem? A imprensa!

    Aqui na Inglaterra, onde eu moro, ja teria colunista do Guardian escrevendo sobre isso, chamando atencao pro assunto, o que faria mais gente tomar conhecimento da questao e pelo menos discutir a coisa (mesmo que fosse para discordar, como o cara do comentario ai de cima).

    O Brasil precisa eh de mais grupos de pressao populares, de mais gente gritando. Justamente o que eu vejo tanta mae blogueira fazendo. Agora, eu acho, o que falta eh achar um espaco na imprensa para que outras pessoas possam ouvir tambem. Na TV, nos jornais, sei la.

    Alguem tem que entrar em contato com a Gloria Perez para ela botar o assunto da publicidade infantil numa novela 🙂

  4. Tb vi esses produtos na gôndola e tb pensei isso: Meu Deus, mais isso é um total absurdo, um estímulo limpo, claro e colorido ao consumo de bebida alcóolica. Socorro!!!
    Aqui em casa não entra.

  5. Em um primeiro momento tb achei meio absurdo, mas pensando melhor depois concordo com o João. Tb consigo muito cigarrinho de chocolate e com fumante em casa e nunca me tornei fumante, nem sequer tive curiosidade de experimentar. Então acho que isso não vai levar uma criança a virar consumidora de bebida alcoolica. E se os pais comprarem a culpa não é da industria que coloca ali para vender e sim de compra e oferece aos filhos. O mesmo seria culpar a industria de fast food a obesidade mundial. Está disponivel consome quem quiser… Não vejo crianças indo sozinhas ao super mercado e se dirigindo as bebidas alcoolicas para comprar tal produto. Acho que essa onda de politicamente correto anda um tanto quanto exagerada

  6. Moro no Japao e aqui nos temos um produto nao alcoólico q faz alusão a cerveja. Nunca observei se os pais compram p as criancas, mas esta junto dos refrigerantes a muito tempo, entao, sendo a cultura diferente, acho q eles nao vêem isso como um problema….
    Estou gravida pela primeira vez, com a BB chegando em maio, e fico imaginando em como lidar com todas as diferenças culturais além das questões normais da maternidade…
    Tomara q eu tenho sucesso!!!!

    1. Rosana,
      Com certeza você terá sucesso. Você será a melhor mãe que a sua BB pode ter. E essas diferenças de cultura, acredito, que você irá aprender no dia-a-dia e também como já vem aprendendo. Você vai saber resolver os problemas quando eles surgirem. Não se antecipe demais a eles, pois podem nem surgir e você se desgastou à toa.
      Sobre o produto que vc diz, nossa, que horror. Alusão à cerveja? Essas empresas não mesmo muito noção da importância que o adulto é para as crianças. Af! mas pelo menos esse produto está entre os refrigerantes. Aqui, a champanhe fica entre os alcóolicos.

      bjs e boa sorte

  7. Um verdadeiro absurdo contra nossas crianças. O pior são quem permite que esses produtor cheguem nas prateleiras. Depois gastam milhões em propagandas sobre o perigo do álcool. Hipocrisia.

  8. Considero um absurdo também e aqui onde moro, Suíça, o produto é amplamente consumido por crianças em festas onde adultos consomem champagne. Claro que não da Cereser, mas com temática infantil e aludindo ao consumo de espumante. Fico pasma.
    E pra completar tenho uma amiga brasileira( classe média alta, curso superior, etc) que compra pro filho de 9 anos champagne e cerveja sem álcool, como se fosse água. E ainda fala com orgulho que o filho é chic!

  9. Acho que há um exagero na opinião emitida no post. A empresa fez o que uma empresa faz: cria produtos. Se não tiver venda, será retirado do mercado. Se tiver vendas é porque encontrou um nicho carente de tal produto.
    Passei boa parte da minha infância comendo cigarrinhos de chocolate, com pai fumante e boa parte da família fumante, porém não fumo nem nunca tive vício no produto.
    Eu ja encontrei o “Spunch” no mercado aqui próximo de casa (floripa também) e me lembro de ter achado o produto uma sacada engraçada, pra crianças brincarem, brindando com suco de frutas. A garrafa, o formato e a rolha, é claro, faz parte de criar a ilusão de ser adulto. Não é o primeiro produto a fazer isso e com certeza não será o último. Agora, se a família não concorda, não compre. É simples.

    O vicio não é causado pela exposição ao alcool. Isso é apenas um facilitador. Há questões genéticas e ambientais envolvidas. Não cabe tb ao post julgar os pais que decidem ou não dar tal produto aos filhos. É muita arrogância e uma invasão dentro de cada família.

    1. Concordo com você Jão Neto!!!
      Também passei minha infância comendo cigarros de chocolate
      e não tenho vício do produto!!!! Não gosta, não compre!!!!!!!!!!!

  10. Isso é realmente um absurdo!!!

    Aproveito para convidar o Comer para Crescer a participar de uma blogagem coletiva que estou propondo em meu blog em Homenagem ao Dia das mães e que eu acho que tem tudo a ver com esse cantinho: A maternidade tem sabor de quê?
    Para saber mais sobre essa blogagem, dê uma passadinha lá no blog onde eu explico tudo direitinho!

    Beijos!

    Lívia.

  11. Eu encontrei este produto aqui em BH, no Supermercados BH. E estava junto às bebidas alcoólicas tb. Achei um absurdo. Parece que vi alguma notícia sobre a retirada da bebida do comércio peloa justiça.. Acho que me enganei.

  12. Aqui no supermercado perto de casa ainda achamos o produto, só que ele está próximo aos refrigerantes. Mesmo assim, a ideia de um produto desses é realmente absurda.

  13. Meu Deus, que bizarro!

    Horrível!

    Não é engraçadinho, nem bonitinho. Seria bonitinho se vendesse suco de frutas com esta embalagem linda (que é) no departamento de SUCOS e águas! Não na gôndola de bebidas alcoolicas, pelamordedeus!

    Ainda bem que vc escreveu sobre isso, Mônica, eu nunca havia reparado que tal bizarrice existisse e, como a minha filha tem 1 ano e 3 meses, a partir de agora ficarei bem atenta aos mais diversos pontos exóticos do mercado…

    Beijo!

Comments are closed.