Pais blogueiros

Pais blogueiros. Você ainda é daqueles que acreditam que homens colocam a fralda do avesso, dão banho com condicionador e não sabem combinar duas peças de roupas? Atualize-se. Em tempos onde a Huggies pediu desculpas públicas por criar um comercial absurdamente preconceituoso e a Leroy Merlin estreou seu banheiro masculino com fraldário – para ficar apenas nas notícias mais recentes – pensar dessa forma é no mínimo retrógado. E ingênuo.

Pai hoje em dia é como mãe: sabe fazer tudo. Ou melhor, não sabe fazer nada e assim como as mulheres vão na tentativa e erro. Na angústia e na alegria. Por isso, você mãe, acostumada a lamuriar que o marido não ajuda, que tal avaliar se está realmente dando espaço para ele fazer isso? Ou sutilmente assume tudo sozinha, na esperança de assim, poderosa, manter a segurança e auto-estima em dia? E você pai que, frente a preguiça de cuidar do bebê, explora sua imaginária inutilidade e se resigna a ser um figurante? Para pensar, né?

Na minha opinião não há nada mais errado do que agir assim. Primeiro porque o modo masculino de criar um filho pode ser altamente aproveitado pela humanidade, como já provaram várias pesquisas, reportagens e mulheres. Segundo porque mães modernas não precisam do poder absoluto da maternidade para se sentirem seguras. Elas dividem conhecimentos, aprendem junto. Ao invés de ficar nas redes sociais reclamando da ala masculina, criam uma parceria familiar que permite erros e acertos de ambos. Quando agem assim, todos crescem: o marido preguiçoso que se toca, a criança que ganha dois pontos de vista. E se o marido não se tocar… bem, aí é outro post.

 

E se você leu até aqui e está achando esse cenário todo muito improvável, é bom saber: não só existem pais que são ótimos e valorizam os seus 50% na história, como muitos não tem o menor medo de compartilhar o processo todo, contando os tropeços, as alegrias, as frustrações e o que provavelmente vai virar piada na família futuramente. Homens que dão a cara a bater todos os dias mostrando o quanto ficam confusos e emocionados por serem pais e como se tornaram pessoas extraordinariamente melhores por causa dos filhos. E ainda se divertem com tudo isso!

Conheça alguns deles:

Renato Kaufmann, Diário Grávido

Rafael Noris, Família Palmito

Caio Melo, Pais Modernos

A.J. Freire, Nerd Pai

Guilherme Nunes da Silva, Conversas de Cozinha

Hilan Diener, Potencial Gestante

 

Aggeo Simões, Manual do Pai Solteiro

 

Alexander Rodrigues, Blog de Pai

 

Cappelli, É tudo ao Quadrado


Rodrigo Morelli, Para Ler Quando eu Crescer

 

 

 

beijos,

Mônica

27 Comments

  1. Concordo com tudo que foi escrito. Meu ex marido e eu temos guarda compartilhada da Amanda e do Rodrigo (hoje com 4 e 6 anos) desde que eles tinham 1 e 3 anos. No inicio a adaptação foi meio confusa, pois não sabíamos o que era melhor para eles. Mas com a ajuda de amigos muito legais e alguns familiares, conseguimos nos adequar bem. Como o Alberto trabalha e eu não, acabo ficando mais com as crianças. Mas 2 vezes por semana ele as pega e leva para dormir com ele, deixa no outro dia no colégio e eu as pego. os finais de semana são alternados. Funciona bem pois eles adoram dormir lá (fico até ensiumada, acho que gostariam todo dia…rss) mas tambem fico feliz pois eles estao felizes assim. E assim, também ganho uma folga pra fazer minhas coisas, sair com as amigas e DESCANSAR! hahahaha. parabéns pela reportagem e que venham cada vez mais pais participativos.

    1. Que legal que suas combinações familiares deram certo, Lara! Não é todo mundo que consegue equilibrar as emoções e enxergar as necessidades dos filhos nessa hora. Parabéns mesmo. E você tocou num ponto muito importante que a mulherada ainda não se deu conta: se há espaço para os pais participarem, sobra tempo livre para a gente cuidar um pouco da vida, né?
      beijos
      Mônica

  2. Olá Mônica, parabéns pelo blog.
    Realmente, assim como as mulheres revolucionaram o mercado de trabalho na busca da igualdade, acredito que nós, os pais, estamos fomos revolucionados por nossos filhos.
    É uma outra vida (literalmente) que vivemos a partir do dia em que nascem e saber e ter a humildade de assumir isso (que antes era só privilégio feminino) é muito legal.
    Ah, ia me esquecendo, obrigado por citar o blog – A Millena Maria, agradece!

    1. Oi Rodrigo, que legal que você gostou do blog! Volte sempre, dê pitacos, comente. E agora a gente vai ficar de olho no seu também!
      beijos
      Mônica

  3. Fala, Mônica!

    Valeu pelo jabá rsrs

    Me bota aí do lado, vai? rsrs

    E hoje vou colocar no blog uma receita insuperável: de como se namorar tendo gêmeos! kkk

    Abração!

    1. Oh Cappelli, isso é dar força, não é jabá não, hehehe
      E vou já no seu blog descobrir essa receita infalível. Aliás, se der certo, a gente divulga!
      beijos
      Mônica

  4. Eu sou desses pais que fazem questão de participar de tudo.

    Procuro me informar, ler de tudo e sobre tudo que envolve a criação do meu filho.
    Acho que tem um misto de vocação com boa vontade rs.
    Tenho amigos pais que são iguais.

    Fico até triste quando me cadastro em sites com infos para pais e recebo e-mails claramente direcionados a mães com a introdução com coisas como “Mamãe, esse semana seu bebê…”. Pô, segmenta essa base aê meu!!

    Abraços a todos os pais que ainda são tratados como mães quando querem infos sobre os seus filhotes!

    1. Parabéns Daniel, muito legal saber que você faz parte do clube! E eu também tenho pavor de sites ou lugares que acham que apenas a mãe cuida da criança. Já fico achando tudo decadente!
      beijos
      Mônica

    1. Sempre aqui, Nerpai. E eu adorei conhecer o seu rosto e do Padawan de verdade!
      beijos,
      Mônica

  5. Pai é que nem criança, é mancada fazer piada, como a Huggies dos EUA fez, precisamos de reforços positivos, incentivo, espaço, para sermos cada vez melhores.

    Valeu pela força e pela divulgação!

    Bjos!

    1. Estaremos sempre aqui dando força Rafa. Acreditamos mesmo que a maneira masculina de ser e pensar contribuir muito na vida de uma criança! Quando precisar de espaço é só pedir que a gente dá.
      beijão

  6. Adoro ver os pais assumindo o seu papel.
    O pai da Sophia tenta mas não se esforça muito e ela acaba gostando de ficar mais comigo que com ele… fazer oq?
    Somos separados e os dias que ela passa com ele nem sempre dão bons frutos.
    Sorte aí para os paizões e mãezonas!

    1. Daniela, sugira que o pai da Sophia leia os blogs recomendados no post. Talvez conhecendo a experiência de outros pais, alguns deles separadaos também, consiga melhorar a performance com a filha.
      boa sorte!
      Mônica

      1. Mônica… é a segunda vez que leio esse post no mesmo mês e por incrível que pareça hoje tenho uma outro ponto de vista. O pai da Sophia brigou na justiça pelo direito dele de ficar com a Sophia sozinho e poder cuidar dela e acompanhar sua vidinha como ele pode… Graças a Deus ele me deu a possibilidade de preencher um espaço em minha vida que eu nem sabia que existia. Ser mãe é tudo pra mim.

  7. Que ótimo post!!!

    Meu marido é destes pais que sabem fazer tudo. Sempre ouvi elogios a ele por parte de outras mães, que dizem que tenho sorte de ter um marido assim, que isso é coisa rara.

    E eu sempre respondi que não era ele que fazia mais do que devia, mas sim, ou outros que estavam fazendo menos…

    Enfim, acho que quem mais ganha com a participação ativa do pai são os filhos e o próprio pai, que cria um laço muito mais forte com os filhotes.

    E concordo plenamente: muitas mulheres não dão espaço a seus maridos para fazer (e aprender). Porque a nós, mães, nunca é perguntado se somos capazes de cuidar de uma criança. Porque não acreditar na capacidade deles de fazer isso também?

    1. Maravilhoso seu comentário, Andréa! Sempre fico me perguntando o que aconteceria se um homem chegasse em uma roda de amigos e dissesse: “minha mulher é muito legal, ajuda muito na criação dos nossos filhos”. Já imaginou?
      beijos
      Mônica

  8. Estava comentando justamente como os pais estão mais engajados na crianção dos filhos outro dia com uma amiga, cada vez mais encontro mulheres elogiando os companheiros, aqui em casa não é diferente, pai ajuda o tempo que não está trabalhanod fora, Alice não faz diferença entre nós dois, e o pai me ajuda com o blog tb, bom demais, vão ter uma geração de crianças e adultos mais felizes,
    bjs

    1. Concordo plenamente Andrea. As próximas gerações serão mais equilibradas que as nossas. E, pelo que você contou, seu marido não apenas “ajuda” mas participa da criação da Alice, né? Isso é muito legal.
      beijos
      Mônica

    1. Ainda bem mesmo, né Renata. Assim conseguimos inclusive tirar um pouco da pressão em cima da gente.
      beijos
      Mônica

  9. Eeeeeee olha eu no Comer para Crescer, manhê!

    Adorei a homenagem 🙂 Obrigado por compartilhar com suas visitantes/leitoras o nosso lado também hehehe

    Beijo do Caio!
    @PaisModernos_

    1. Você, particularmente, sabe que acho o lado de vocês mais interessante. Compartilhando podemos deixar o mundo mais divertido!
      beijo da Mô

Comments are closed.