O garfo do meu pai

Todas as vezes que dou o jantar para a Isabella, lembro do meu pai e seu garfo. Invariavelmente, ele montava o meu prato com a mesma quantidade de comida que a dele! E lá ia eu enfrentar aquela montanha de arroz com um bife gigante. Quando chegava à metade eu ia desistindo, o que era bastante compreensível para todos. Mas não para meu pai, que me incentivava a continuar mastigando com leves toques do garfo. Ai, essa psicologia dos anos 1970… Até depois de adulta eu tirava sarro dele na mesa lembrando isso.
A verdade é que quando começo o diálogo “filhinha, come mais um pouco”, “suco só depois de mais uma colherada”, “a cenoura vai ficar triste se não acompanhar o tomate” imagino meu pai dando gargalhadas lá nas nuvens enquanto me observa…
um beijo da Mô

2 Comments

  1. Monica querida, adorei o blog! Parabéns às duas pela iniciativa. Minhas duas filhas, Marcela de 6 anos e Luísa de 'quase' 2 anos estão numa fase difícil de comer… e tb lembro da minha infância onde meu pai me forçava. Tô me descabelando com elas e não sei o que fazer. Tenho certeza que este blog trará várias soluções pra mim. bj enorme pra vcs!

Comments are closed.