Especial Criança vegetariana: Risoto de Alho-Poró com queijo

Criança vegetariana. Um dia eu estava aqui em casa montando o cardápio da semana e era uma coisa assim: carne bovina de manhã, peixe de noite, frango no dia seguinte, um macarrão para disfarçar, uma costelinha na quarta. E só de escrever me sentia empanturrada!

Mas olhava bem para as abobrinhas, as mandioquinhas, um monte de folhas verdinhas, tudo ali na geladeira e… não vinha nada na mente. Aí, de tarde, numa conversa com Caio Melo do Pais Modernos, ele contou a receita do almoço daquele dia falando da cenoura com tanto amor que pedi socorro!

Percebendo a criatividade vegetariana de Caio, convidei o moço para nos contar três receitas bacanas – que ele ainda temperou com crônicas deliciosas. Você vai conhecê-las a partir de hoje.

beijos

Mônica

 

Risoto de alho-poró com queijo (ou risoto do papai)

por Caio Melo/Pais Modernos

Criança vegetariana
Começo esse post-receita com uma confissão: não foi para minha filha que preparei o risoto. Sim, tudo começou com a ideia de fazer um jantarzinho gostoso para minha esposa e eu, que adoramos risotos. O que eu não imaginava era que, provando um pouquinho do nosso prato, a filhota ia adorar um risotinho também! Aí pensei, por que não, né?

Aliás, depois de ver minha princesa curtir o risoto, dei-me conta de que eu andava numas de restringir a alimentação dela a coisas que supostamente crianças gostam… e perdia a oportunidade de acostumá-la com um universo gastronômico mais amplo. Essa foi uma experiência muito bem sucedida, mas deixa eu voltar o filme para contar pra você como foi.

Comprei os ingredientes com bastante carinho (inclusive aquele arroz carnaroli delicioso), para o prato ficar do jeito que o havia imaginado:
•    1 cebola grande (porque aqui em casa AMAMOS cebola);
•    2 xíc. de arroz carnaroli*;
•    2 alhos-poró (se o seu supermercado não vende, mude de estabelecimento);
•    4 tabletes de caldo de legumes;
•    2 litros de água;
•    2 colheres das de sopa de manteiga**;
•    Muçarela*** a gosto.

– Ah, Caio! Por que, diabos, eu preciso desse tal arroz aí?

*Então, na correria você pode fazer com aquele branco agulha que tem em casa. Mas o barato do risoto é conseguir aquela consistência cremosa e o arroz guerreiro do dia a dia não tem a amilose necessária pra isso. Aí acabamos fazendo um arroz empapado e chamamos de risoto. Ninguém merece, né? Sugiro comprar um pacote de arbório ou carnaroli, principalmente o segundo, que dá muito mais cremosidade à sua obra de arte, e reservá-lo só para esses momentos. Na real existe um terceiro e melhor, o vialone, mas é tão difícil de encontrar por aqui que eu ignoro sua existência.

**Se achar que manteiga é o novo capeta da gastronomia, troque por creme vegetal ou margarina. Cá entre nós, um poquinho de manteiga não faz mal a ninguém, mas fica a seu critério.

***Se preferir, mussarela… com SS ou Ç, amo você igual! Cá entre nós, pro paladar dos pequenos esse é o melhor queijo, mas uma excelente opção é o parmesão em lascas.

Enfim, voltemos à vaca fria (ou à panela quente).  Aliás, o modo de preparo começa justamente assim:
1.    Escolha uma panela larga e, de preferência com fundo grosso e coloque-a para esquentar a bunda;

2.    Com o fundo bem quente, mande pra lá uma generosa colher, das de sopa, de manteiga. Em seguida coloque toda a cebola bem picada e vá mexendo de leve até que fique transparente;

3.    Agora é a hora do alho-poró. Coloque 3/4 para refogar junto com a cebola até que amoleça um pouco. O ideal é cortar em rodelas fininhas, dá uma graça ao prato;

4.    Enquanto você fica de olho no ponto da cebola e no alho-poró na manteiga, coloque a água para esquentar e dissolva nela os tabletes de caldo de legumes. É legal manter essa água quente, pra não ficar naquela de esfria/esquenta o seu risoto;

5.    A água segue esquentando e você agora coloca o arroz (agulhinha não!) pra dançar com a cebola e o alho-poró; A ideia é esbranquiçar o grão, não queimá-lo, ok?;

6.    Agora você deixa um fogo médio e coloca aos poucos a água (o suficiente para cobrir os grãos). É bem importante que o fogo esteja médio para não evaporar tão rápido a água e você deixar que os grãos a absorvam. Também é bom ficar por perto, mexendo suavemente o arroz de vez em quando;

7.    Secou? Cubra novamente o arroz e siga mexendo suavemente (porque se mexer com força, vai quebrar os grãos). Essa brincadeira leva quase toda a água. Depois da terceira leva de água secar, vale a pena provar o ponto do arroz. Para não virar uma papinha, vale a pena deixar o grão al dente por dentro;

8.    Com o arroz no ponto que você prefere, a segunda colher de manteiga e o restante do alho-poró entram em cena. Coloque-os e vá misturando. Enquanto a manteiga dá mais cremosidade ao risoto, o alho poró que entrou agora ficará mais crocante e dará uma textura bacana;

9.    Se achar que está secando muito, você pode desligar o fogo durante a etapa anterior, porque o calor acumulado nos ingredientes fará as vezes sem problemas. Senão, agora é o momento de desligar o fogo, misturar o queijo (de preferência em lascas ou tirinhas) e… pronto!

Agora é só servir e conferir se seu pequeno vai gostar, porque o parceiro certamente vai! Caso o filhote seja meio chatinho seletivo com novos ingredientes, você não precisa usar o famigerado termo “alho-poró”. Risotinho do papai e da mamãe é um ótimo nome fofo! Se achar que faltou contraste de cor na apresentação do prato, uma salsinha salpicada no final do preparo resolve essa questão 🙂
Essa receita deve dar para quatro pessoas e o ideal é que se faça o suficiente para aquela refeição. Risoto que vai para geladeira e é esquentado depois fica horrível!

Gostou? Não? Ficou com alguma dúvida? Quer dar uma sugestão? Comente que nós vamos trocando figurinhas!

6 Comments

  1. Obrigada por compartilhar a receita tão saborosa. Faço a receita do risoto de alho poro e, quando tenho, ainda acrescento ervilhas (que não sejam as enlatadas!) e também fica gracioso com as bolinhas verdes!

    Tenho uma questão para o Caio:

    Como vc faz para suprir o ferro na alimentação vegetariana? Aqui em casa não somos vegetarianos, mas desde que viemos morar na França, mudamos muito a nossa alimentação. Além de não termos o churrasco, diminuimos muito a ingestão e quantidade de carne vermelha. Eu procuro variar e temos peixe (procuro fazer duas vezes na semana) com maior frequencia.

    E se comemos carne no almoço, dificilmente tera isso no jantar. Enfim, pergunto pois tenho uma filha pequena e os nutrientes necessarios (especialmente o Fe e Ca) devem fazer parte do dia-a-dia. Aceito dicas!!

    Obrigada e tenha um otimo dia : )

    1. Olá, Ana!

      Sobre o ferro, é curioso, mas desde que tornei-me vegetariano meu nível de ferro é muito melhor do que quando comia carne. Eu deduzo que seja por ter ampliado meu horizonte gastronômico.

      Como uma profusão maior de grãos (feijões, grão-de-bico, lentilha etc.), consumo mais “verde escuro” e beterraba … e combino isso com um suco rico em vitamina C feito na hora, pois isso ajuda na fixação/absorção do ferro.

      Também é legal consumir uma pequena quantidade de castanhas diariamente, por conta dos minerais (como zinco), e cuidar com a reserva de B12. Para esta, normalmente é necessário fazer suplementação de tempos em tempos.

      Ah! Inserir farinhas e massas integrais na dieta é bacana, porque garante aminoacidos (partes menores que compõem a proteína) diferentes dos encontrados nas massas refinadas 😉

      No mais, não tem mistério… basta não virar vegetariano que só come queijo, porque aí é melhor uma alimentação balanceada e saudável com bicho morto a não comê-los para se entupir de queijo e conservantes 😛

      Espero que tenha ajudado.

      Beijo do Caio!
      @PaisModernos_

  2. A receita é ótima e me identifiquei quando fala sobre restringir a alimentação por acreditar que as crianças não vão comer coisas novas… eu me surpreendo com algumas das escolhas que elas fazem na casa dos outros e isso é ótimo, para variar não só o cardápio, como para abrir o mundo gastronômico para as cças, rs

    1. Quando nós achamos que prevemos tudo, os filhotes dão um tapa na orelha e ampliam nossos horizontes, né?

      Seguimos educando e aprendendo hehehe

      Beijo do Caio!
      @PaisModernos_

Comments are closed.