Como mesclar comida caseira com a papinha pronta

Ainda sobre papinha pronta. Continuando o polêmico post de ontem, conto aqui como a nutricionista Cynthia Maggi mesclou papinhas prontas com comida caseira durante o encontro que tivemos na Cozinha Experimental da Nestlé, semana passada. Lembre-se que a ideia bacana é justamente usar a papinha pronta, que é livre de conservantes e outros aditivos, no lugar das comidas industrializadas que geralmente a família come quanto está sem tempo e sem criatividade. Mas não é para todo dia, hein?

 

A sugestão para o almoço é o spaguetinho com bolonhesa. Para acompanhar, faça uma saladinha bem prática. Na cumbuquinha, coloque brócolis, cenoura e mandioquinha cozidos e picados. Por cima, coloque ricota. Se quiser pode colocar gotinhas de azeite. Leve ao microondas para aquecer um pouco. Na sobremesa, misture 1/2 xícara de suco de laranja lima com 2 colheres de sopa de mucilon. Coloque pedacinhos de melão na tigela e a mistura de Mucilon por cima.

No lanche da tarde, Mucilon batido com leite e mamão. Aqui você também pode oferecer pedacinhos de mamão.

No jantar, ofereça a sopinha de beterrava, que já vem com caldo de feijão e legumes. Para acompanhar, um preparado de frango com abobrinha. Desfie peito de frango cozido e refogue com azeite e cebola. Junte a abobrinha cortada em tirinhas, refogue mais um pouco e está pronto. Para completar, faça uma saladinha de lentilha, espinafre e tomate, tudo bem picadinho. Na hora da sobremesa, sirva a papinha de pêssego com leite, com pedacinhos de maça e morango

beijos

Mônica

8 Comments

  1. Apenas gostaria de dizer também que não temos certeza de que os produtos usados pela Nestlé são assim tão livres de agrotóxicos. Acho que é inocência acreditar nisto sem maiores questionamentos.
    .
    Sei também que toda nossa comida é cheia deles e fico bem chateada com isto. O que eles nos causarão no futuro, não é?
    .
    Só não acho que podemos ficar tão aliviados assim fornecendo os alimentos prontos.
    .
    Enfim, acho que estamos num mato sem cachorro. Mas ainda assim prefiro dar alimentos caseiros aos filhos. Me sinto melhor.

  2. Gosto muito do blog de vocês, acompanho sempre.
    .
    Mas, sinceramente, não faz nenhum sentido a mãe utilizar uma papa Nestlé de beterraba se ela ela já vai preparar um “frango com abobrinha” e já vai fazer “uma saladinha de lentilha, espinafre e tomate, tudo bem picadinho.”. Se a mãe já está na cozinha preparando estes alimentos, ela pode muito bem fornecer frutas frescas para a criança e não “papinha de pêssego com leite, com pedacinhos de maça e morango”, industrializado. Só nestes alimentos que vocês sugeriram que a mãe irá cozinhar a criança já teria uma boa refeição. Só faltou uma fruta fresca. Ou seja, nenhuma necessidade de usar a comida pronta, que é caríssima inclusive, temos que dizer.
    .
    A propósito, não sou contra as papas prontas. Utilizo se vou ficar muito tempo fora de casa, sem ter como armazenar com decência a comida que sempre preparo para meus filhos. Acho que elas são muito úteis. Mas discordo deste tipo de uso que vocês sugeriram.
    .
    Me pareceu um post de propaganda.

  3. Olá, adorei suas dicas!
    Quanto ao comentário da Tereza: agrotóxicos não são o mesmo que conservantes. Estamos aqui falando de duas coisas diferentes.
    Eu moro na Noruega e aqui sou orientada a alimentar meu bb com papinhas prontas até 1 ano de idade, principalmente no inverno.
    Isso porque os legumes e vegetais folhosos comprados no mercado são cheios de agrotóxicos, necessários para seu cultivo devido ao frio intenso.
    Mesmo no Brasil os legumes e verduras contém agrotóxicos, e não em pouca quantidade. Já me informei muito sobre este assunto.
    Ingenuidade é achar que os produtos que você compra na feira são livres de qualquer pesticida!!! Pior, você nem tem idéia de onde eles vem, não é?
    Já a Nestle tem padrão rigoroso de seleção da matéria prima para a produção das papinhas infantis.
    Como ainda tenho a mentalidade brasileira, não consigo dar papinha pronta todo dia pra minha filha, mas quase 100% da população norueguesa alimenta seus bbs com Nestlé todos os dias.
    Talvez por isso a variedade de papinhas aqui eh imensa!!! Também podem ser encontrados sucos, iogurtes, salada de frutas, mingau pronto, papinha de frutas com cereais… tudo sem conservantes e com certeza, com menos agrotóxicos do que as papinhas que fazemos em casa!

  4. Olá Mônica! Muito cuidado ao falar que papinhas nestlé são livres de aditivos e conservantes. Você conheceu a linha de produção completa ou só teve contato com a nutricionista responsável pelo marketing dos produtos?
    Vale a pena você ler com bastante atenção uma pesquisa realizada no Chile que encontrou agrotóxicos e pesticidas nas papinhas da Nestlé. Segue o link: http://www.rel-uita.org/companias/nestle/chile-agrotoxicos_hasta_en_la_sopa-por.htm
    Chega de ingenuidade né?!

    1. Olá Tereza, minhas informações sobre as papinhas da Nestlé não vieram da nutricionista deles e sim de vários outros especialistas, inclusive da Sociedade Brasileira de Pediatria, quando fiz uma matéria sobre isso para a Revista Crescer, onde era redatora-chefe. Isso deve ter uns três anos, e de lá para cá, praticamente todos os pediatras e nutricionistas que entrevisto não falam mal de tais papinhas. Como eu citei em outro post do ano passado, o que os especialistas dizem é que a criança não deve ser alimentada apenas com elas pois a variedade é pouca. E criança precisa conhecer outras texturas, os alimentos característicos da sua região, o tempero da mãe. Mas muitos me asseguraram que as papinhas realmente não levam aditivos. E hoje, com o olho firme da Anvisa, acredito que a empresa não iria mentir no rótulo. Como são fechadas a vácuo, as papinhas não precisam nem de conservantes. Sei que algumas, principalmente as doces, possui um acidulante, mas que segundo minhas fontes, é inofensivo. O post foi resultado de muitas pesquisas e anos escrevendo matérias sobre isso e não ingenuidade. Minha intenção ao escrevê-lo não foi sugerir que as famílias alimentem suas crianças com papinhas prontas. Meu objetivo era orientar as muitas famílias, segundo pesquisa realizada pela dra Roseli Sarni, da Sociedade Brasileira de Pediatria, que alimentam seus bebês com produtos industrias contendo excesso de aditivos, macarrão instantâneo e lasanha congelada, entre eles. Não tenho nada a favor ou contra a Nestlé. Meu foco está no alimento e não nas empresas alimentícias. Mas lógico que se ficamos sabendo que uma delas cometeu algo terrível, temos obrigação de compartilhar. Por isso achei tão interessante o link que você mandou. Será que no Brasil, onde as regras são mais claras e a empresas mais vigiadas, temos o mesmo problema? Vou pesquisar se a Nestlé daqui deu alguma informação sobre o ocorrido. Outra pergunta que fica: o que é pior: o excesso de pesticidas e agrotóxicos, que as crianças acabam consumindo mesmo com as frutas compradas nas feiras ou o excesso de sódio, gordura e açúcar dos produtos industriais?
      abs

  5. Meu filho mais velho tem 2 anos e meio e come o que eu chamo de creminho até hoje. A alimentação dele é sólida, como deveria ser (arroz, feijão, carne, macarrão, etc), mas sempre ofereço no prato um pouco do que um dia já foi papinha de legumes. Como ele não gosta de texturas dos legumes, os legumes processados sempre caem bem e garantem beneficios. Já a minha menina (está com 10 meses) simplesmente não gosta de comer… Acredita que ela não gosta nem de mucilon, nem de papinha Nestle? Come pouco, faz careta, é impressionante! Com 10 meses, meu mais velho comia duas papinhas por refeição, enquanto minha menina come (ridiculamente), meio potinho pequeno por refeição…

  6. As imagens estão tão bonitas que deu até fome, rs

    Gostei muito das dicas, nosso dia a dia é corrido e às vezes temos que contar com opções como estas expostas por você.

    Abraços.

Comments are closed.