Brincar é coisa séria

87bf266958de5c2e214f6cdc49a9391f-230x320Fomos convidadas pela Danoninho para participar do Dia Mundial do Brincar, que tem o objetivo de fazer nós, adultos, refletirmos sobre a importância de valorizar o tempo que a criança precisa para brincar. Aceitamos o convite porque o Comer Para Crescer acredita que brincar é muito importante, é coisa séria, não é “coisa de criança”.

Nossas melhores lembranças da infância são relacionadas ao tempo que tínhamos para brincar, que era todo dia, a tarde toda -e nunca o suficiente, claro.

Entre as nossas brincadeiras favoritas, estavam:

– pular corda: gente, era aquela corda comprida que quando batia na perna ardia, mas quem se importava, e dava para pular três crianças ao mesmo tempo. Quando não tinha amigo, a gente brincava sozinha de foguinho!

andar de bicicleta: a calçada era o lugar mais divertido, pois tinha subidas, descidas, degraus, buracos, enfim, obstáculos excelentes para aguçar a imaginação e criar roteiros incríveis de histórias de aventuras;

– jogar queimada na rua: a gente juntava um monte de crianças da vizinhança, riscava o chão da rua para determinar o campo e dividia os times. (Só era ruim quando chamavam a gente de café com leite!!! Puf!!!)

– Pular amarelinha: o pesadelo das mães organizadas e com mania de limpeza, pois a gente riscava o chão do quintal com giz, desenhando vários tipos de amarelinha, em quadrado, caracol. Sem esquecer os onipresentes “Céu e Inferno”;

 Pega-pega: ai, existe coisa mais deliciosa que pega-pega, gente!? Primeiro, a gente corre feito louca para fugir do pegador. Depois corre ainda mais para pegar os colegas e, quando consegue, a sensação de vitória é tão boa! Quando a gente encontra alguém mais rápido, mais ligeiro, nos sentimos desafiados, não é!?

Pular cela: quando o amigo se abaixava e tínhamos de ultrapassá-lo de um pulo, vencendo o medo de altura e do amigo em nos aguentar nas costas.

E a quantidade de vezes que resolvemos as pendengas que, óbvio, surgiam? Sempre tinha um amigo para arranjar encrenca (quando não éramos nós as protagonistas das rusgas). A gente assume que, vez ou outra, a “lei do mais forte” prevalecia: os maiores davam uns petelecos nos menores, que corriam pra casa chorando. Mas, lembrando bem, fico feliz em perceber que foram poucas as vezes que essa “lei” implacável da infância reinou. O mais comum era a turma do “deixa-disso” se sobrepor e arrefecer os ânimos.

Atualmente, brincadeira fora de casa ou do apartamento, no quintal ou no playground do prédio, para nós é tão importante quanto estudar. Aliás, já houve fase na vida dos nossos filhos Samuel, Miguel, Isabella e Úrsula que nada era mais importante no dia-a-dia do que o tempo deles de brincar. Aliás, tendo espaço (seja ele qual for) e tempo, nossos filhos brincam o tempo todo.

E porque um site de alimentação infantil está falando de outro tema? Porque quando criança brinca, aprende. Muito!

Olha só quanta coisa nossos filhos aprendem enquanto brincam livremente, sem mediadores (adultos) por perto:

– a pensar, a planejar, a racionar, a optar, a opinar, a entender que todos têm direito de escolhas; a respeitar a opinião do outro; a dar a vez, a compartilhar; a conhecer o mundo, pois o reproduz com regras próprias; a refinar os movimentos motores; a conhecer detalhes da cultura do país onde vive; os limites do corpo; aprendem sobre diversidade; a superar os medos; a se impor; a lutar por sua própria opinião; a lidar com a frustração; a manter a imaginação sempre ativa; a competir e a cooperar;

Ou seja: aprendem, brincando, a serem seres sociais.  

Por tudo isso -e muito outros benefícios proporcionamos pela brincadeira- que apoiamos a iniciativa da marca em nos fazer refletir sobre a qualidade do tempo e da brincadeira dos nossos filhos no dias de hoje. Nós, mães e pais, em meio ao corre-corre do dia, por vezes, esquecemos de dar esse tempo às crianças. Muitas vezes o piloto automático reina junto com o relógio e esquecemos do que realmente importa naquele determinado momento, que é correr atrás do amigo.

Para nos ajudar nessa reflexão, a Danoninho vai promover AMANHÃ um bate-papo em tempo real, a partir das 15 horas, entre mães e a pedagoga Débora Wolf, que também acredita e defende que brincadeira é um assunto a ser levado muito a sério. Para acompanhar e participar, enviando perguntas, basta acessar a página da marca no Facebook. Lá, as mães que querem conhecer mais sobre o universo das brincadeiras também podem encontrar conteúdo bem legal sobre o tema. Vale a pena dar uma visitada!

Para finalizar, propomos um exercício que, por causa desse convite, fizemos por aqui: quanto tempo seus filhos e filhas brincam ao ar livre com os amigos durante a semana? Anote em um caderno e descubra ao final de uma semana. Não vale incluir o tempo que estão na escola.

Beijos,

Patrícia e Mônica

 

ARTIGO PATROCINADO

Você leu um texto publicitário. Este aviso representa

nosso comprometimento e transparência diante de sua opinião

7 Comments

  1. Independentemente da empresa ou produto veiculado,as brincadeiras ao ar livre, além dos benefícios citados,promovem a saúde e o bem-estar das crianças conforme já sabemos e que ficou mais do que provado na entrevista com a cineasta Estela Renner e vídeo “Muito além do peso”. Abraços…

  2. Sério meninas? Danoninho? Em um site que “promove a boa alimentação para crianças?
    É fácil cair no papo das grandes marcas… mesmo se promove brincadeira achei pouco inteligente a iniciativa…

    1. Marina, ninguém caiu no papo das grandes marcas. Se você ler novamente o post, verá que em nenhum momento incentivamos o consumo de danoninho. Apenas apostamos na iniciativa de uma empresa – e não produto – em promover algo que achamos importantíssimo.
      De qualquer forma, como já dissemos muitas vezes aqui, a boa alimentação para crianças não envolve proibir alimentos e sim equilibrar o que você oferece.

      1. Como separar uma empresa do próprio produto? Eu li o texto, e bem.
        Quanto a resposta:
        “a boa alimentação para crianças não envolve proibir alimentos e sim equilibrar o que você oferece”.
        Desculpe, mas não concordo. Equilibrio sempre, mas somente com coisas saudaveis. Não acredito que açúcar, conservantes, leite modificado, corantes faça bem. Nem se for “equilibrado”. Danoninho, nunca.

  3. Amei a postagem sobre o brincar. A brincadeira é muito importante pra criança se desenvolver. ameia iniciativa da danoninho. Tbm publiquei poesia e fotos de Alice brincando. depois passem lá bjs

Comments are closed.